terça-feira, 26 de outubro de 2010

LIMITES – Agora é a melhor hora!

Autor: Cybele Meyer

A falta de limites na educação das crianças tornou-se um problema alarmante. Tudo isso em razão da dificuldade que os pais de hoje encontram em dizer "NÃO”.
Eles têm medo de parecerem rígidos demais ou de perder o amor do seu filho, por este motivo a maioria dos pais transferem aos filhos o poder de decisão.
Agora não é hora de comer chocolate, mas ele quer... Hoje não é dia de levar brinquedo na escola, mas ele não aceitou sair de casa deixando o brinquedo lá, então ele trouxe!!!!
Ele deveria viajar no banco de trás, mas ele quer vir na frente... Ele não quis vir de uniforme para a escola, por isso é que está com esta roupa de festa, foi ele quem escolheu!!!
Os pais não se dão conta que cabe a eles orientar e proteger seus filhos.
Os pais não conseguem conciliar disciplina com liberdade.
Só dizemos NÃO àqueles que amamos!!!!
A insegurança dos pais diante da imposição de limites é que está dando margem a tantos distúrbios de comportamento.
O dizer NÃO e conservar o NÃO resulta na construção da confiança e da auto-estima.
Esta atitude é uma prova imensa de AMOR!
Só dizemos NÃO àqueles que amamos!!!!
Os limites fornecem uma base segura para o equilíbrio na vida pessoal.
Saber respeitar os limites impostos dentro de casa, no relacionamento entre pais e filhos é um aprendizado para a vida em sociedade.
Aquele que em casa faz o que quer, quando quer, na hora que quer, terá muita dificuldade de se ajustar socialmente. Em conseqüência disso irá sofrer muito pois “os pais educam com amor e a sociedade com rigor” já dizia o sábio dito popular.
Vemos hoje que os pais se sentem perdidos no seu papel de pais. Eles têm que readquirir a percepção de que é sua responsabilidade formar cidadãos, evitando conseqüentemente, a marginalização do indivíduo.
A hora de educar é agora, amanhã você pode não mais encontrá-lo por perto.
Se você permite que seu filho de 4 anos decida qual a melhor hora para dormir, qual o melhor programa para assistir na TV, que ele coma no jantar o que tem vontade, quando ele chegar na adolescência já estará tão acostumado a tomar decisões que não irá mais lhe perguntar coisa alguma. Sabe por quê? Porque você permitiu isso. Desde pequeno ele teve poder sobre si próprio. A última palavra sempre foi a dele. Era você que se curvava diante das decisões tomadas. Se ele tinha toda esta autonomia quando pequeno porque haveria de ser diferente agora que é adolescente?
O que você não se deu conta é que quando ele era pequeno as atitudes tomadas eram sair para andar de patins na calçada de casa e quando você o procurava, era só sair na janela e já o via. Agora ele cresceu, virou adolescente, ainda não tem carta de habilitação mas pega o seu carro e some e você não mais o enxerga pela janela. Ele não pedirá seu consentimento porque nunca precisou...
Só dizemos NÃO àqueles que amamos!!!!
Temos consciência que nos tempos atuais a correria do dia a dia é uma constante, mas pai, tenha certeza de que o que seu filho mais precisa é de você presente. Este estar presente não significa ficar lendo o jornal enquanto ele brinca no tapete da sala, nem tampouco enchê-lo de presentes. Hoje em dia, este tipo de comportamento já saiu de moda. Compensar a ausência presenteando os filhos já é uma atitude por demais desgastada e ineficiente inclusive para a criança, que manifesta sua insatisfação jogando de lado o brinquedo que acabou de ganhar e já pedindo outro que ainda não tem. Esta é uma atitude de aversão dos filhos diante de tanta inércia dos pais.
Os pais não lhes dão noções do que pode ou do que não pode, sendo assim, tudo lhe é permitido.
Vale lembrar que a educação de uma criança, futuro adulto, vai além das muralhas familiares. Sabemos que a sociedade também exerce sua influência, mas se os pais dão aos filhos solo firme para pisar, se os filhos sentem-se seguros junto a sua família, é lógico que a atuação da sociedade será muito mais amena preenchendo somente algumas lacunas. Diferente daqueles que tem pais omissos, fracos e distantes.
Só dizemos NÃO àqueles que amamos!!!!
Há pais que lá na frente irão se perguntar “onde foi que eu errei? Eu lhe dei tanto amor!” Mas amar demais não é o erro, o erro está justamente em não impor limites. O pai tem que ter a consciência de que ele é o orientador. Ele deve criar regras e cuidar para que estas regras sejam cumpridas e respeitadas. Dessa forma o pai estará preparando seu filho para viver em sociedade e viver em sociedade nada mais é do que seguir regras sobre regras.
Só dizemos NÃO àqueles que amamos!!!!
Os limites são ingredientes essenciais para que as crianças possam crescer saudavelmente e para que se sintam preparadas para a vida adulta.
Precisamos resgatar, o quanto antes, o verdadeiro conceito de limites pois os pais de hoje não sabem ao certo o seu significado.
O amor de um pai para com seu filho tem que ser incondicional mas tem que ser um amor com limites.
Só dizemos NÃO àqueles que amamos!!!!

www.edukbr.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário